“Cancha: Antigamente era mais Moderno”

“Cancha: Antigamente era mais Moderno”

Neste documentário, o diretor Luciano Mariz desvenda a vida de Pedro Cancha, um homem de personalidade forte à frente do seu tempo.

Com figurino requintado e fotografia apurada, este curta produzido na Paraíba em 2013 mostra a trajetória de um personagem e sua verdadeira história ficcional ou de uma ficcional história verdadeira sobre um homem, suas ideologias, contrastes, sobre ter “cancha”.

O filme revela as nuances de um nordestino capaz de produzir trabalhos poderosos, de virar notícia por usar saia, sem submissão a estereótipos vindos de fora.

Ficção expõe a relação angustiante entre pai e filho

Ficção expõe a relação angustiante entre pai e filho

Neste curta de 15 minutos, o diretor paraibano Ismael Moura discorre sobre o relacionamento conturbado de duas vidas presas em suas próprias histórias e que fazem do seu mundo uma ilha interior.

“Ilha” expõe a angustiante e comovente relação entre um pai idoso e seu filho autista, ambos perdidos na imensidão desoladora do sertão.

O roteiro de a “Ilha” foi desenvolvido durante o II Jabre – Laboratório de Roteiro para Jovens do Interior da Paraíba, e realizado em setembro de 2013 na cidade de Cuité – PB.

O filme traz algumas músicas do CD “No Bagaço da Cana” da grande artista paraibana Cátia de França.

A morte de John Lennon mexe com o povo de Pernambuco

A morte de John Lennon mexe com o povo de Pernambuco

Gravado em Brejo da Madre de Deus, Lagoa dos Gatos e São Caetano (PE), o curta “João Heleno dos Brito”, de Neco Tabosa, conquistou prêmios no Brasil e na França.

O enredo mostra como a morte de John Lennon fez surgirem rumores e boatos que alteraram o cotidiano do interior pernambucano. A ficção tem 20 minutos e foi finalizada em 2014.

O cantor e compositor Tagore Suassuna, Harumi Harada, o artista plástico Daniel Araujo e Sóstenes Lennon Fonseca estão no elenco.

Na tela, o sonho de ser um reconhecido cantor

Na tela, o sonho de ser um reconhecido cantor

Vencedor de vários prêmios, “Doido Lelé” é uma homenagem que a cineasta baiana Ceci Alves (foto) faz a seu pai.

“Doido Lelé” conta a história de Leopoldo Caetano, um garoto que sonhava ser cantor, mas sempre era desclassificado nos programas de rádio.

Até que ele resolve assumir que é doido e fazer uma canção de sua autoria chamada Doido Lelé.

O curta foi lançado em 2009 e já passou por 27 festivais nacionais e chegou à França e à Espanha. No Brasil, foram oito prêmios.

Animação usa metáfora para discutir o caos do trânsito

Animação usa metáfora para discutir o caos do trânsito

No filme “A Ilha”, um homem naufraga na cidade e fica preso pelo trânsito. Ele espera para poder atravessar novamente por horas, dias, meses…

O curta de animação de Alê Camargo, da Buba Filmes, de 2008, questiona a urbanização de cidades grandes como São Paulo.

O filme é uma aula prática de como criar um modelo em que as pessoas ficam presas em congestionamentos de 300 km.

Dividido em capítulos, ele fala não de uma ilha paradisíaca, mas de como hoje estamos ilhados na cidade. Cercados de carros, tecnologia, concreto, pressa, numa metáfora bem divertida.

Imaginação leva menina a “entrar” num jogo de gameboy

Imaginação leva menina a “entrar” num jogo de gameboy

Com apenas dois minutos, este curta conta uma divertida e singela história de uma menina que descobre que a sua realidade é nada menos do que a sua imaginação.

“Hi-Score” é uma animação escrita e dirigida por Mary Jane Whiting em 2015, nos Estados Unidos.

No filme, Sam encontra uma árvore mágica que pega o seu gameboy. A partir deste ponto a menina sobe a árvore, galho após galho, até encontrar lá no alto o seu gameboy. E a aventura só está começando.

Curta denuncia o impacto ambiental provocado pela indústria papeleira

Curta denuncia o impacto ambiental provocado pela indústria papeleira

O curta-metragem catarinense “Deserto Verde” venceu o Prêmio Canal Brasil de Curtas e levou R$ 15 mil no 20º Fórum Audiovisual do Mercosul – FAM, realizado em junho de 2016 em Florianópolis/SC.

Com direção de Juliana Kroeger, “Deserto Verde” é um documentário sobre o impacto ambiental provocado pela indústria do papel, a partir das fábricas instaladas na Serra Catarinense, às margens do Rio Canoas.

O Brasil é um dos maiores produtores de papel e celulose do mundo. Embora gere emprego e renda, a atividade agride a natureza, segundo informa o filme.

“Até a China” revela situações inusitadas e engraçadas

“Até a China” revela situações inusitadas e engraçadas

Diretor de animação com 12 curtas no currículo, Marcelo Marão empresta sua ampla experiência para este premiado curta-metragem sobre uma viagem à China.

No roteiro, situações das mais inusitadas e engraçadas. Na China os motociclistas usam casaco ao contrário e os restaurantes servem cabeças de peixe, lagostins e enguias; não há vasos sanitários nos locais públicos, apenas um buraco no chão.

Mas todos recebem o turista com um largo sorriso.

Marão foi presidente-fundador da Associação Brasileira de Cinema de Animação, entidade da qual ainda faz parte.

Miu Miu coloca a moda a serviço do cinema feminino

Miu Miu coloca a moda a serviço do cinema feminino

A Miu Miu, pupila da gigante italiana de moda Prada, resolveu investir em cinema – somente em filmes dirigidos por mulheres.

“Contos de Mulheres” é o projeto de curtas-metragens patrocinado desde 2013. São nove os filmes disponibilizados via internet.

As modelos e atrizes vestem Miu Miu e encenam histórias que mergulham livremente no universo feminino.

Roteiros soltos abordam assuntos que englobam desde roupas, vaidade, raça, família e amizade.

Breno Mello, o “Orfeu Negro”, ganha cinebiografia

Breno Mello, o “Orfeu Negro”, ganha cinebiografia

Produção francesa rodada no Brasil em 1959, “Orfeu Negro” recebeu vários louros na época, como a Palma de Ouro em Cannes, Globo de Ouro e Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Até Barack Obama elogiou o filme.

Dirigido por Alexandre Derlam e Rene Goya Filho, o curta é uma cinebiografia de Breno Mello, 76 anos (ele faleceu em 2008), ex-operário, jogador de futebol e célebre protagonista do filme dirigido por Marcel Camus.

A identidade de Breno se confunde com a do mito e a do personagem Orfeu da Conceição. Este documentário apresenta depoimentos, trechos de filmes e lembranças de um brasileiro que conjugou futebol, cinema e bossa nova.

Breno foi reverenciado no exterior mas esquecido no Brasil.