Um registro do dia a dia do bairro mais cosmopolita do mundo

Um registro do dia a dia do bairro mais cosmopolita do mundo

Quem for à abertura da Mostra Território Expandido – Documentários, dia 05/12, na Caixa Belas Artes, no Centro de São Paulo, poderá conferir o 40º documentário de Frederick Wiseman intitulado “In Jackson Heights”.

O filme aborda a diversidade étnica e cultural do bairro Jackson Heights, no Queens, uma das comunidades mais múltiplas da cidade de Nova York. O documentário faz bonita defesa da preservação da cultura e da dignidade.

Frederick Wiseman, de 85 anos, é conhecido por seus filmes sem narrador/entrevistador, e demonstra neste documentário como buscar a objetividade sem fazer disso uma utópica bandeira pela imparcialidade. Ao mesmo tempo nos presenteia com uma produção de uma clareza de raciocínio ímpar, mas sem ser didático demais.

Para tornar a câmera invisível, Wiseman expõe as personagens em situações naturais. Assim, “Em Jackson Heights” se faz de cenas de conversas em sessões de terapia coletiva, em assembleias, encontros de centro comunitário, ou apenas entre amigos.

A partir do dia 06/12 a 10/12, a Mostra Território Expandido continua na Unibes Cultural/SP.

Filme retrata Síndrome de Down de forma delicada

Filme retrata Síndrome de Down de forma delicada

“Um a Mais, Um a Menos” é um documentário espanhol de Alvaro Pastor e Antonio Naharro, lançado em 2002.

Uma jornalista planeja um documentário e, inesperadamente, ela entra em um universo desconhecido, o de Lourdes, a adolescente com Síndrome de Down que pretende retratar.

Lourdes surpreende a jornalista quando inverte a situação e delicadamente toca em seu ponto fraco. Aos poucos, o relacionamento das duas mulheres evolui para um interesse sincero e uma amizade verdadeira.

Jards Macalé é celebrado em documentário de Eryk Rocha

Jards Macalé é celebrado em documentário de Eryk Rocha

A vida e obra do cantor, músico e ator Jards Macalé é celebrada neste documentário dirigido por Eryk Rocha.

O artista carioca cresceu rodeado de música, estudou compositores eruditos, mas sempre representou a música popular brasileira.

O filme retrata um pouco do processo criativo do último album do autor de canções como “Vapor Barato”, “Gothan City” e “Movimento dos Barcos” e sua destreza com diversos instrumentos musicais.

“Jards” conta com uma versão do intérprete para a clássica canção francesa “Ne me Quitte Pas”, carregada de emoção.

Com o filme, Eryk Rocha ganhou o prêmio de Melhor Direção no Festival de Cinema do Rio em 2013.

 

 

 

 

 

“Chapa” mescla humor com paixão pela seleção brasileira

“Chapa” mescla humor com paixão pela seleção brasileira

Na véspera da Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, dois padeiros (Chapa e Feola) são demitidos injustamente pelo filho do antigo patrão que planeja modernizar o negócio.

Como vingança, os funcionários decidem roubar o estabelecimento durante o primeiro jogo do mundial. Mas precisam terminar antes que o primeiro jogo do Brasil comece.

Essa é a trama da comédia “Chapa”, dirigida por Fábio Montanari, que recebeu o prêmio aquisição do Porta Curtas e do Canal Curta! no Panorama Paulista do Festival Internacional de Curtas de São Paulo de 2015.

 

 

Músico mineiro, Johnny Black ganha registro em documentário

Músico mineiro, Johnny Black ganha registro em documentário

“De Quando em Vez” é um curta sobre música que constrói, de maneira poética, vários dias dentro de um dia na vida do músico mineiro Johnny Black.

Dirigido por Jáder Barreto e Rafaella Lima, o filme foi produzido parcialmente com verba da Agência de Desenvolvimento do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais.

O curta está na seleção de cinema do MIMO 2016, festival dedicado exclusivamente à música que está sendo realizado nos dias 11, 12 e 13 de novembro, no Rio de Janeiro.

Consagrado como um dos maiores festivais do Brasil, o MIMO é patrocinado pelo Bradesco, Cielo e BNDES.

 

“Um Passinho Para Três Destinos” celebra a consciência negra

“Um Passinho Para Três Destinos” celebra a consciência negra

O documentário é uma narrativa produzida e dirigida pelo fotógrafo Carlos Alberto da Silva Junior, que relata a história de três jovens negros da comunidade do morro do Coqueiro, em Vila Valqueire, na zona Oeste do Rio de Janeiro.

No dia 18 de novembro, o média-metragem de 40 minutos com vídeos de danças, músicas e entrevistas, será exibido na Mostra de Cinema e Vídeo Zumbi dos Palmares.

A Mostra surgiu da parceria entre o Renascença Clube, a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM), o Acervo Digital de Cultura Negra (Cultne), e a Oficina de Comunicação e Design Benguelê, para celebrar a Semana Nacional da Consciência Negra, celebrada no mês de novembro.

“Um Passinho Para Três Destinos” será exibido às 17h na Cinemateca do MAM. R$ 8,00 (inteira), R$ 4,00 (meia).

 

 

 

Semelhanças entre Brasil e Uruguai estão em “A Linha Imaginária”

Semelhanças entre Brasil e Uruguai estão em “A Linha Imaginária”

O curta-metragem “A Linha Imaginária”, de Cíntia Langie e Rafael Andreazza, foi uma das atrações do festival Curtas Gaúchos de 2015.

Dois países, dois idiomas, duas culturas. Uma fronteira que ao invés de separar, une. O filme aborda as semelhanças culturais da população que vive na fronteira de Brasil e Uruguai.

Os diretores retratam o universo singular dos povos que habitam essas cidades, a partir de histórias singulares de quem vive nessas regiões.

 

 

Três pernambucanos são premiados no Festival de Curtas de SP

Três pernambucanos são premiados no Festival de Curtas de SP

Três filmes de Pernambuco ganharam prêmios no Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo (24 de agosto a 4 de setembro de 2016).

Abigail, dirigido pela pernambucana Valentina Homem e pela carioca Isabel Penoni, ganhou prêmio do Canal Curta e do site Porta Curtas. Abigail Lopes une os pontos de um mapa humano que conecta indigenismo e candomblé.

Fotográfrica, de Tila Chitunda, recebeu uma menção honrosa e ficou entre os favoritos do público.

O delírio é a redenção dos aflitos, de Felipe Fernandes, foi também um dos premiados pelo júri popular.

Sem caráter competitivo, o Festival conta com a participação do público para escolher os filmes favoritos da programação.

Os escolhidos recebem incentivos, prêmios e troféus, oferecidos pelos parceiros, apoiadores e patrocinadores.

 

Festival de Curtas de SP aborda a violência contra a mulher

Festival de Curtas de SP aborda a violência contra a mulher

A violência contra a mulher no mundo contemporâneo foi um dos temas abordados por cineastas na programação do 27° Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo (24 de agosto a 4 de setembro de 2016).

Estado Itinerante, rodado em Belo Horizonte e dirigido pela mineira Ana Carolina Soares, foi o mais aclamado pelo público.

O drama mostra uma personagem desesperada para sair de uma situação evidente de violência. Em período de experiência como cobradora de ônibus, Vivi (Lira Ribas) trabalha desejando não voltar para casa. Os encontros com outras cobradoras fortalecem a mulher trabalhadora e seu desejo de fuga.

Sem caráter competitivo, o Festival conta com a participação do público para escolher os filmes favoritos da programação.

Os escolhidos recebem uma ampla gama de incentivos, prêmios e troféus, oferecidos pelos parceiros, apoiadores e patrocinadores.

 

 

 

 

 

 

 

Ficção e animação vencem edital Brasil-Chile da Ancine

Ficção e animação vencem edital Brasil-Chile da Ancine

Tarde Para Morrer Jovem, de Dominga Sotomayor, e Nahuel e o Livro Mágico, de Germán Acuña, foram selecionados em outubro pela Ancine e pelo Banco de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), e cada filme receberá US$ 100 mil para ser produzido.

Os critérios de seleção foram a relevância do projeto do ponto de vista das relações culturais entre os dois países; a qualidade técnica e artística do projeto; e a relevância da participação técnica e artística nacional do país minoritário na coprodução.

Tarde Para Morrer Jovem foi apresentado pela produtora chilena Cinestación Producciones. A produtora majoritária do projeto é a brasileira RT Features. O filme receberá a verba do Conselho Nacional da Cultura e das Artes – CNCA, do Chile. O longa se passa em 1990, durante o processo de estabilização da democracia no Chile.

Já Nahuel e o Livro Mágico foi apresentado pela Red Studio Brasil Produção e Animação, na qualidade de coprodutora minoritária brasileira, e receberá o investimento da Ancine. Na animação, Nahuel é um menino que vive numa vila de pescadores mas tem fobia de mar.