Curta francês mistura futurismo com suspense

Curta francês mistura futurismo com suspense

Um rapaz quer embarcar para Marte mas não consegue uma vaga, então decide entrar escondido na nave. Essa é a história de “La 4ème Planète”.

Nesta animação de apenas 1,31 minuto, o diretor francês Jean Bouthors consegue misturar futurismo com suspense.

Vários seguranças armados tentam deter o intruso, que corre muito até chegar à nave que está de partida para Marte.

“Até a China” revela situações inusitadas e engraçadas

“Até a China” revela situações inusitadas e engraçadas

Diretor de animação com 12 curtas no currículo, Marcelo Marão empresta sua ampla experiência para este premiado curta-metragem sobre uma viagem à China.

No roteiro, situações das mais inusitadas e engraçadas. Na China os motociclistas usam casaco ao contrário e os restaurantes servem cabeças de peixe, lagostins e enguias; não há vasos sanitários nos locais públicos, apenas um buraco no chão.

Mas todos recebem o turista com um largo sorriso.

Marão foi presidente-fundador da Associação Brasileira de Cinema de Animação, entidade da qual ainda faz parte.

“A Culpa é do Neymar” vence como melhor curta no Cinefoot-SP

“A Culpa é do Neymar” vence como melhor curta no Cinefoot-SP

A Taça Cinefoot de Melhor Curta-Metragem ficou com “A Culpa é do Neymar”, comédia ficcional dirigida por João Ademir (foto) com Babu Santana, Kaiky Gonzaga e Dani Ornellas no elenco.

O filme destaca o conflito entre pai e filho pela escolha do clube do coração.

A cerimônia de encerramento e premiação do Cinefoot-SP foi realizada na noite de sábado, 03/12, no Museu do Futebol.

Mostra mineira abre espaço para filmes de animação

Mostra mineira abre espaço para filmes de animação

O passarinho é ferido e o espantalho o socorre. Mas o passarinho maltrata espantalho. Essa é a temática do curta-metragem de animação “O Espantalho e o Passarinho”.

O curta participou em 2016 da seleção da quarta Mostra Traga Seu Filme, projeto permanente do Cine Humberto Mauro, de Belo Horizonte, MG. Ao todo, foram selecionados cinco curtas-metragens de animação de diretores mineiros.

Dirigido por Larissa Aparecida Lima da Silva, o filme é o Trabalho de Conclusão do Curso de Artes Visuais, na UFMG, em 2008.

No geral, os diretores utilizam técnicas variadas como o 2D tradicional, 2D digital, stop motion, pintura sobre papel e pintura sobre vidro.

 

Moleque dá nome ao curta brasileiro inspirado em Chaves

Moleque dá nome ao curta brasileiro inspirado em Chaves

Filme é uma homenagem do diretor Marcos Pena à obra do mexicano Roberto Gomez Bolaños (1929 – 2014), que tem conquistado os brasileiros há décadas.

Como os atores originais do seriado produzido pela Televisa, de 1971 a 1979, são adultos interpretando crianças de menos de dez anos, o diretor de Moleque decidiu usar crianças para imprimir um pouco mais de realismo à trama.

No curta, rodado em Minas Gerais, Seu Madruga é o Soneca, Quico ganhou o nome de Fred e Chiquinha virou Fran.

O material pode ser assistido gratuitamente no YouTube.

Lá do Alto, de Luciano Vidigal, foi o destaque na sessão do Prêmio Curta Rio

Lá do Alto, de Luciano Vidigal, foi o destaque na sessão do Prêmio Curta Rio

O filme Lá do Alto, dirigido por Luciano Vidigal, foi a produção que recebeu mais votos no júri popular na sessão especial do Prêmio Curta Rio realizada no dia 6 de novembro, no Cine Odeon, dentro da programação do Curta Cinema.

Foram exibidos os 10 filmes vencedores do Prêmio Curta Rio, num total de 60 minutos de projeção.

O Curta Rio agradece aos diretores que tiveram suas obras exibidas: Anna Azevedo, Zeca Ferreira, Pedro Asbeg, Evandro Manchini, Felipe O’Neill, Eduardo de Souza Lima, Luciano Vidigal, Maria de Andrade, Laís Rodrigues, Luiz Claudio Motta, Isabella Raposo, Thiago Brito e Ludmila Curi.

Para conferir o filme vencedor, Lá do Alto, basta clicar neste link.

PRÊMIO CURTA RIO LANÇA 10 FILMES NO CINE ODEON

PRÊMIO CURTA RIO LANÇA 10 FILMES NO CINE ODEON

O Prêmio Curta Rio, uma iniciativa do IBEFEST-Instituto Brasileiro de Estudos de Festivais Audiovisuais, com patrocínio da TV Globo, promove o lançamento dos dez curtas-metragens vencedores do concurso, no dia 6/11, às 21h, no Cinema Odeon, na Cinelândia, em parceria com o Curta Cinema 2015.

Será a estreia no cinema dos filmes contemplados na primeira edição do Prêmio Curta Rio, que recebeu quase 400 inscrições de roteiros sobre os 450 anos do Rio de Janeiro.

Os filmes revelam diversos ângulos do Rio apresentando olhares peculiares da Zona Norte à Zona Sul, passando pela Zona Oeste da cidade e até mesmo Paquetá.

A sessão de lançamento dos filmes do Prêmio Curta Rio no Cine Odeon será com entrada franca, mas é recomendável chegar com antecedência para garantir o ingresso.

Confira a programação no site do Curta Cinema 2015

Filmes em exibição:

HELGA E PAULO, de Pedro Asbeg

Muitas vidas resumidas em apenas uma história de amor.

A ILHA É DAS CRIANÇAS!, de Zeca Ferreira

É dia de Cosme e Damião na ilha de Paquetá.

SEBASTIÃO, de Evandro Manchini e Felipe O’Neill

Durante a madrugada, dois homens atravessam a cidade do Rio de Janeiro dentro de uma Kombi velha. Uma terceira pessoa está desacordada no banco traseiro provocando assim um clima de mistério e tensão durante o percurso. Quando o dia amanhece eles chegam até o seu destino final e revela que as coisas nem sempre são o que parecem ser.

BOLA PARA SEU DANAU, de José Eduardo de Souza Lima

Cinco meses antes de Charles Miller, o técnico tecelão escocês Thomas Donohoe escalou uns colegas de trabalho da Fábrica de Tecidos Bangu para uma pelada, e deu o pontapé inicial do futebol brasileiro.

UM RIO QUE VEM DE LONGE, de Anna Azevedo

Uns nasceram no Rio, como os artistas Elza Soares, Bibi Ferreira e Djalma Sabiá. Outros, escolheram a cidade para viver, como o caricaturista italiano Lan e a dona de casa portuguesa Céu dos Reis. Personagens que nos revelam aspectos do Rio que os enchem de saudade.

CANTO DO RIO EM SOL    , de Maria de Andrade e Laís Rodrigues

Ao som da voz de Carlos Drummond de Andrade recitando seu poema homônimo, o documentário Canto do Rio em Sol mostra a desconstrução da paisagem urbana do Rio de Janeiro a partir de imagens de arquivo históricas raras.

LÁ DO ALTO, de Luciano Vidigal

Como cessar a dor silenciosa de uma criança que sente saudades de uma avó que morreu? Através do mundo lúdico infantil, imagens privilegiadas e singulares da cidade do Rio de Janeiro, vista do alto da favela do Vidigal, o filme vai mostrar a história de um menino sonhador que tenta convencer seu pai a se aventurar em conhecer o alto de uma pedra, que ele acredita ficar perto do céu, para poder se comunicar com sua avó, de quem sente saudades.

O MIRANTE DO AZUL, de Isabella Raposo e Thiago Brito

No aniversário da cidade do Rio de Janeiro, dois funcionários do Centro de Operações do Rio de Janeiro farão de tudo para resgatar a imagem de Copacabana.

CINE VAZ LOBO, de Luiz Claudio Motta Lima

O movimento em defesa do Cine Vaz Lobo envolve preservação, cultura e memória.  Idealizado pelos moradores e amigos da baixada de Irajá, busca a transformação do Cine Vaz Lobo em Centro Cultural. A primeira vitória do grupo foi modificação do trajeto da transcarioca, a não demolição do prédio, e o tombamento do Cine Vaz Lobo, inaugurado em 1941.

RUGAS, de Ludmila Curi Kestenberg

Neto e avô debatem sobre a idade do Rio de Janeiro: 450 anos é muito pouco?